domingo, 23 de janeiro de 2011

Sapatilha de Ponta - 3

Conhecendo melhor suas sapatilhas de ponta


Origem: Wikipedia, a enciclopédia livre
Tradução e adaptação: Renata Sanches

Uma sapatilha de ponta é um tipo de calçado usado por bailarinos para realizar o trabalho nas pontas. As sapatilhas de ponta foram desenvolvidas a partir do desejo das bailarinas aparentarem não ter peso e parecerem-se com sílfides, e evoluíu para habilitar bailarinos a dançar nas pontas dos dedos por longos períodos de tempo. São normalmente usadas por mulheres, embora dançarinos homens possam usá-las para papéis não ortodoxos, como as irmãs feias da Cinderela , Bottom em Sonhos de uma noite de verão, ou homens interpretando mulheres em companhias de dança como Les Ballets Trockadero e Grandiv. Elas são fabricadas em uma variedade de cores, geralmente em tons de rosa claro.

História das sapatilhas de ponta
As mulheres começaram a dançar no balé em 1681, 20 anos depois que o rei Luís XIV da França ordenou a fundação de seu Ballet Ópera de Paris. Naquela época as mulheres dançavam os ballets com sapatos de salto. Em Meados do século 18 a bailarina Marie Camargo do Ballet Ópera de Paris foi a primeira a vestir um sapato sem salto, permitindo-lhe realizar movimentos que teriam sido difíceis, senão impossíveis com o sistema convencional de sapatos da época. Após a Revolução Francesa os saltos foram completamente eliminados do ballet. Esses antecessores da sapatilha de ponta moderna envolviam os pés por tiras que terminavam em pregas sob os dedos, para que osbailarinos pudessem saltar, executar giros e esticarem seus pés.
As primeiras dançarinas a subirem nas pontas o fizeram com a ajuda de uma invenção de Charles Didelot em 1795. Sua "máquina voadora" levantou as bailarinas ainda mais, permitindo que subissem nas pontas antes de sair do chão. Esta qualidade de leveza etérea e foi bem recebida pelo público e, como resultado, coreógrafos começaram a procurar maneiras de incorporar mais pointework em suas peças.
Como a dança evoluiu no século 19, a ênfase na habilidade técnica aumentou, assim como o desejo de dançar nas pontas sem o auxílio de fios. Quando Marie Taglioni dançou pela primeira vez La Sylphide nas pontas, os sapatos eram nada mais do que chinelos de cetim modificados; as solas eram feitas de couro e as laterais e pontas eram reforçadas para ajudar os sapatos manterem sua forma. Porque os sapatos deste período não ofereciam nenhum apoio, as dançarinas protegiam seus pés com algum tipo de ponteira almofadada para maior conforto e contavam apenas com a força de seus pés e tornozelos para sustentação.
Uma forma substancialmente diferente de sapatilha de ponta apareceu na Itália no final do século 19. Bailarinas como Pierina Legnani usavam sapatilhas com uma superfície plana nas pontas, ao invés dos modelos anteriores mais pontiagudos. Estas sapatilhas também incluiam uma "box", caixa, feita de camadas de tecido para conter os dedos do pé, e uma sola rígida, forte. Elas eram feitas sem pregos e as solas só eram reforçadas nos dedos dos pés, tornando-as bem silenciosas.
O nascimento da sapatilha de ponta moderna é quase sempre atribuído a bailarina russa do início do século 20, Anna Pavlova , que foi uma das mais famosas e influentes bailarinas de seu tempo. Pavlova tinha particularmente um colo de pé muito arqueado, o que a deixou vulnerável a lesões ao dançar nas pontas. Ela também tinha pés alongados e cônicos, resultando em excesso de pressão aos dedos grandes. Para compensar isso, ela iria inserir solas de couro em suas sapatilhas como reforço extra e achatou e endureceu a área dos dedos formando uma caixa ou "box".Como esta prática fez dançar nas pontas ficar mais fácil para ela, foi considerada por outras bailarinas como "trapaça".
Fabricação

Cada bailarina tem seu formato único de pés, com variações que incluem o comprimento dos dedos e a forma do arco, flexibilidade e resistência mecânica . Consequentemente, a maioria dos fabricantes de calçados de ponta produzem mais de um modelo de sapato, e cada modelo oferece um ajuste diferente. Independentemente do fabricante ou modelo, no entanto, todas as saptilhas de pontas compartilham dois importantes recursos que permitem às bailarinas dançarem na ponta dos pés:
A caixa ou box é um duro cerco na extremidade dianteira do calçado que reveste e suporta os dedos dos dançarinos. A parte frontal da caixa é achatada, de modo a formar uma plataforma (biqueira) sobre a qual a bailarina pode equilibrar .
A palmilha é um pedaço de material rígido que serve para endurecer a sapatilha, de modo a fornecer suporte para o arco do pé quando na ponta.
O exterior de uma sapatilha de ponta é coberto com tecido para assim ocultar a caixa e outros elementos estruturais internos e emprestando um olhar esteticamente agradável ao sapato. A maioria das sapatilhas de ponta são cobertas com cetim. As sapatilhas de ponta são mais frequentemente disponíveis em tons claros de rosa e menos comumente em preto ou branco. As sapatilhas de ponta muitas vezes podem ser encomendadas em outras cores personalizadas.
Na maioria das sapatilhas de ponta, a sola é construída a partir de uma única peça de couro que é anexada ao sapato com cola e reforçada por costuras nas bordas. As sapatilhas de ponta podem ser fabricadas com um solado raspado, que evitam deslizamento , ou solas lisas, que têm uma superfície mais deslizante.
A aparência estética é de fundamental importância para sapatilhas modernas. Para conseguir uma aparência elegante, o sapato é decorado com tecido cobrindo a maior área possível da superfície visível do mesmo. Para esse efeito, a sola é feita de material fino a dar-lhe um perfil mínimo, e uma margem de cetim plissado é artisticamente costurada em torno dela para que a sola abranja apenas uma parte do fundo do sapato.

Palmilhas:

Palmilhas são normalmente feitas de couro, de plástico, cartolina, ou camadas de cola de sapateiro . A flexibilidade de uma palmilha é determinada por sua espessura e do tipo de material utilizado. A espessura da palmilha pode ser inteira consistente ou pode variar de consistência ao longo de seu comprimento para a produção de diferentes intensidades em cada área. Por exemplo, um corte pode ser feito em uma palmilha na altura da meia-ponta para melhorar, facilitar a passagem da meia-ponta para a ponta. Sapatilhas padrão ou Standard normalmente têm uma palmilha inteira. Muitos fabricantes de sapatilha de ponta oferecem uma escolha de materiais para palmilha, e alguns vão criar sapatos com palmilhas personalizadas de diferentes rigidez e comprimento.
Bailarinas, às vezes, usam diferentes modelos de sapatilha de ponta para cada ballet. Em muitos casos a coreografia determina o tipo de palmilha necessária; um estilo lírico pede uma sapatilha suave (mais mole), enquanto um estilo agressivo, com muitas piruetas é mais facilmente realizado com uma sapatilha dura, rígida.

Sapatilha Pré-ponta:

A sapatilha pré-ponta que também é conhecida como sapatilha soft tem características de ambas as sapatilhas de balé (ponta e meia-ponta). Sua aparência externa se assemelha ao de uma sapatilha de ponta e tem uma caixa (box) que é mais suave e cujo interior não é tão profundo como aqueles encontrados em sapatilhas de ponta. Ao contrário das sapatilhas de ponta a pré-ponta não tem palmilha. Como resultado, eles não fornecem o suporte necessário para o trabalho de ponta e, consequentemente, alunas de dança normalmente recebem fortes advertências sobre os perigos de subir na ponta com sapatlhas soft.
Sapatilhas de pré-ponta ou soft são usadas para treinar novos bailarinos para a técnica de ponta. Em tais casos sapatilhas de pré-ponta servem para acostumar dançarinos com a sensação de usar sapatilhas de ponta e como preparação para a dança nas pontas. Sapatilhas soft também podem ser encontradas em performances em que a aparência de sapatilhas de ponta é desejada, mas nenhum trabalho de ponta será executado.

Fitas e elásticos:

Uma sapatilha de ponta precisa de duas fitas de cetim e um elástico para fixá-la ao pé. A maior parte da segurança da sapatilha no pé é dada pelas fitas. As duas fitas envolvem o tornozelo da bailarina em direções opostas, formando uma cruz na frente. As extremidades são então amarradas em um nó , que é então dobrado sob a fita na parte interna do tornozelo para escondê-lo. As extremidades das fitas nunca são amarradas em um laço pois este pode soltar-se. A faixa elástica, que atravessa a frente do tornozelo e abaixo das fitas mantém o calcanhar do sapato no lugar, contra o pé quando a bailarina está na ponta. Algumas escolas não permitem o uso de elásticos.
Os locais onde se fixam os elásticos e fitas são importantíssimos, pois uma fita mal colocada pode resultar em uma sapatilha mal adaptada ao pé. O posicionamento ideal depende dos atributos físicos do pé para o qual será acoplado e, conseqüentemente, as fitas e elásticos não podem ser anexados no processo de fabricação de calçados. Depois de adquirir um novo par de sapatilhas de ponta, o bailarino deve determinar os locais de fixação adequados para as fitas e elásticos e depois costurá-los, ou providenciar para que sejam costurados.

Quebrando

Dançarinas quebram, ou amolecem, novas sapatilhas de ponta, a fim de melhorar a sua forma e, assim, eliminar o desconforto causado pelos sapatos novos. Vários métodos são empregados para a quebra de novas sapatilhas de ponta incluindo deformá-las contra superfícies duras, golpeá-los com objetos contundentes, molhar as caixas de dedo (box) e depois vestí-las, e aquecê-las para amolecer a cola , mas estes métodos geralmente encurtam a vida útil da sapatilha. Algumas bailarinas simplesmente toleram o desconforto e dançam com elas até que estas são naturalmente quebradas.

Acessórios:

Depois de uma sapatilha de ponta estar quebrada é comum que a box ainda não ofereça um encaixe mais confortável para o pé da bailarina na ponta. Para minimizar o desconforto causado pela caixa inflexível, os dançarinos freqüentemente usam ponteiras, que são geralmente feitas de gel (outras de silicone e outras ainda de espuma) para revestir e amortecer o impacto nos dedos. Além disso, separadores para dedo do pé em gel são, por vezes, inseridos entre os dedos para proporcionar amortecimento e para ajustar o alinhamento dos dedos.
Além disso e  às vezes em substituição das ponteiras, algumas bailarinas podem aplicar esparadrapo micropore a seus pés para reduzir a fricção e a probabilidade de formação de bolhas.

Vida útil:

No decorrer do uso normal, há três tipos predominantes de desgaste em uma sapatilha de ponta que irá determinar a sua vida útil. O mais importante deles é o desgaste da palmilha. Como o corpo do sapato é repetitivamente flexionado, a palmilha gradualmente enfraquece e perde a sua capacidade para prestar apoio. Uma sapatilha de ponta não é mais útil quando a palmilha quebra ou fica muito mole para sustentar. A segunda é a de amolecimento da caixa e, especialmente, a plataforma na qual a bailarina equilibra. (Podem sentir os dedos no chão). O outro tipo principal de desgaste envolve o tecido exterior. Em pointework, a biqueira está sujeita ao atrito contra o chão. Este atrito acaba desgastando o tecido que envolve a biqueira, expondo a caixa. Ao contrário de uma palmilha enfraquecida, tecido exterior danificados não afeta o desempenho de uma sapatilha. Devido a sua aparência pouco profissional, no entanto, tecido danificado pode tornar o calçado impróprio para usar em outras situações que não a prática informal ou ensaio.
Sob uso moderado, um par de sapatilhas normalmente dura até dez a vinte horas de uso. Para estudantes de dança, isso se traduz muitas vezes em semanas ou meses de uso útil de um par de sapatilhas. Bailarinos profissionais geralmente desgastam sapatilhas muito mais rapidamente, um novo par pode usado em uma única apresentação. Como resultado, companhias de balé mais profissionais fornecem subsídios para seus dançarinos cobrirem o custo de reposição frequente de sapatilhas.
A vida útil de uma sapatilha de ponta depende de muitos fatores, incluindo:
Uso. Estilos de dança mais agressivos realizados frequentemente, maior tempo de utilização irão acelerar o desgaste.
Técnica de dança. Técnica de dança incorreta pode inutilizar, deformar as sapatilhas.
Ajuste. Sapatilhas com formato ajustado ao pé incentivam a técnica adequada, o que leva a uma vida útil mais longa do sapato.
Peso. Quanto mais pesada a bailarina, maior a tensão sobre os sapatos e mais rápido o desgaste.
Construção. Várias qualidades e tipos de fabricação irão produzir as expectativas de vida diferentes às sapatilhas.
Material da palmilha. A rigidez e a integridade dos diversos materiais da palmilha irão causar diferentes desgastes com o uso.
Quebra. O processo de quebra simula o uso acelerado e portanto acelera o desgaste da sapatilha.
Qualidade do piso. As superfícies ásperas podem provocar desgaste rápido do tecido exterior da sapatilha, em contraste com superfícies lisas, como pisos linóleo, que minimizam a taxa de desgaste do tecido.

sapatilha de ponta em cetim

desgaste do tecido expõe a caixa

ponteiras

espaçadores de dedos

Fitas e elásticos costurados

palmilha

fino solado em couro com fissuras anti-deslizantes


Para saber melhor "Como aumentar a durabilidade da sapatilha" leia este post do blog "Ponta Perfeita". Lindo!!!!

18 comentários:

  1. Vc não imagina como suas informações nos ajudam, Prof. Renata. Muito obrigada por mais este post. Mas fica aqui minha sugestão. Um Twitter do Blog do Ballet. Aí a gente fica sabendo dos novos posts. Obrigada. Bjs!!!

    ResponderExcluir
  2. Adoro seus posts e adoro vc tbm, agradeço
    ao presente (dicionário de ballet), vou usá-lo muito.Um beijão. Selma Regina

    ResponderExcluir
  3. Marcelle... Obrigada pela dica! O twitter é um projeto que será colocado em prática em breve!

    Selma e Marcelle Obrigada por postarem. É assim que fico sabendo o que minhas leitoras precisam!!!!

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Ótimo post para alunas hein? Poderia reproduzi-lo com os devidos creditos no blog que vou criar para minhas alunas?

    beijos

    ResponderExcluir
  5. meu sonho sapatilha de ponta

    amei seu bLOG.

    estou seguindo
    me segue tbm.

    Beijos Cor De Rosa...!

    hppt://marcellyrosa.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Caros, boa tarde. Peço licença para comunicar algo que pode ser interessante a vocês. Trata-se de Calígula, do Balé da Ópera de Paris, que será exibido no dia 8 de Fevereiro (às 20:30h), exclusivamente nos cinemas. É a primeira coreografia de Nicolas Le Riche da Étoile Dancer.
    ___
    Construída como uma tragédia, a coreografia acompanha a inexorável progressão deste herói solitário a caminho da morte. Acompanhado por “As Quatro Estações”, de Vivaldi, que ilustra a irremediável passagem do tempo, a dança, em toda sua profundidade e energia, traduz a poesia e a violência inerente numa vida consumada pelo excesso numa velocidade impressionante.

    Caso queiram entrar em contato comigo para esclarecer quaisquer dúvidas, meu e-mail é rafaelqueres@cometa.me

    Abraços,
    Rafael Queres - LiveMOBZ
    http://www.mobz.com.br

    ResponderExcluir
  7. Marcelly... Obrigada por seguir o blog do ballet! Adorei seu blog também!

    Rafael... Obrigada pela dica! Vou compartilhar!

    ResponderExcluir
  8. Estou com Post Novo
    Passa lá..

    Beijos Cor de Rosa...!

    hppt://marcellyrosa.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. Renata!Amei seu blog,muito criativo,e acredito que tire todas as duvidas das bailarinas.Tenho 12 anos e em breve farei 13.Sempre admirei mt o balé,mas acredito que pra mim seja meio tarde...rsrs.Mesmo assim,amei seu blog,prabéns pelo ótimo trabalho.

    ResponderExcluir
  10. Olá. Adorei o blog, faço ballet desde os 4 anos, e hoje minha professora me convidou para dar aula para as crianças,queria saber se você tem alguma dica para mim, que irei começar no dia 28.
    Obrigada;
    E-mail: melissasosoares@hotmail.com

    ResponderExcluir
  11. Nina... Nunca é tarde para fazer aquilo que desejamos; no seu caso é possível ainda se tornar bailarina profissional no Brasil começando aos 13!
    Seja bem vinda ao blog do ballet!
    Procure um bom professor (a) e boa sorte!!!

    ResponderExcluir
  12. Melissa... Seja bem-vinda ao blog do ballet. No blog tem várias dicas que vc pode usar. Procure nas postagens anterirores pois dou dica de livros infantis além de atividades de baby class!
    Em breve postarei mais notícias!
    Bjus

    ResponderExcluir
  13. A partir de que idade se pode usar a sapatilha pre ponta ou soft?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ly, a pré ponta é usada cerca de um ano antes de iniciar na ponta, então, vamos falar em 9 ou 10 anos? Espero ter ajudado!

      Excluir
  14. Oi Ly, a pré ponta é usada cerca de um ano antes de iniciar na ponta, então, vamos falar em 9 ou 10 anos? Espero ter ajudado!

    ResponderExcluir
  15. Oi, eu comprei uma sapatilha que veio com biqueira, mas eu não sei o que fazer, é pra colar ou costurar?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Bruuh! A biqueira é para colar com cola branca escolar, tipo tenaz. Bjus.

      Excluir