domingo, 6 de novembro de 2011

como fazer a maquiagem de palco - ballet clássico


Tutorial sobre como fazer a maquiagem de palco para ballet clássico. Colocação de cílios postiços, base, pó facial, corretivo, sombras em degradê, blush combinando e muito mais! Dicas e passo a passo completo! Aproveitem e mandem suas perguntas. Essa maquiagem é a partir de 11 anos. Em breve postarei a infantil!

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Coque para apresentação de ballet


Queridas alunas e mães de alunas,
Pensando em vocês fizemos este video simples, mas bem explicadinho com o passo a passo do coque para a apresentação de ballet! Aproveitem para mandar perguntas (aqui no blogger, no face e no youtube serão respondidas!
Beijos a todas

domingo, 25 de setembro de 2011

Sorteio do livro "Contando histórias de balé"



As inscritas aparecem com o nome de usuário cadastrado, na ordem de cadastro, assim:
1- Sarinha Bailarina SUD
2- Ellen G. Passos
3- Heydi Milhose
4- Maíra Barale
5- Karina Andrade
6- Marcele Bilheri
7- Thalía
8- Suzan Afonso
9- Talita Ribeiro
10- Mari G. Barbieri
11- Sonia
12- Larissa C.
13- Sweet
14- Selma Regina
15- Silvia
Obrigada pela participação de todas!

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Ballet de repertório - variações femininas

O que é ballet de repertório? Alguns consideram como repertório aqueles ballets que foram consagrados pelas montagens e remontagens sucessivas e que constituem o acervo de companhias do mundo todo. A palavra repertório está associada à perenidade, universalidade e atemporalidade. Em dança, a palavra está ligada a uma coleção de obras primas tradicionais encenadas ao longo dos anos por companhias do mundo todo. 
Um espetáculo de balé de repertório é composto por diversas coreografias que juntas constroem a narrativa. Os elementos, como o cenário, o figurino e as músicas dão suporte e força ao enredo.
Esses espetáculos são apresentados em sua forma completa, ou ainda em trechos. Chamamos de pas de deux os trechos dançados por um bailarino e uma bailarina. Chamamos de variação os solos de bailarino ou bailarina. Grand pas de deux é um trecho composto pelo pas de deux, variação feminina, variação masculina e pela coda (que no ballet significa o final do grand pas de deux com a junção novamente dos dois bailarinos em movimentos de grande virtuosismo técnico).


VARIAÇÕES FEMININAS: algumas das variações femininas mais conhecidas são kitri (de Dom Quixote), Aurora, e Fada Lilás (de A bela adormecida), A fada açucarada (de O quebra nozes), Odete e Odile (de Lago dos Cisnes),   La Fille Mal Gardeé (ballet de mesmo nome), Gisele (ballet de mesmo nome), Swanilda (de Coppélia), entre tantas outras maravilhosas que ficarão para outro post.
A bailarina precisa ter certas características para dançar cada uma dessas variações e ainda construir um personagem para o público. Claro que são necessários todos os requisitos técnicos para uma obra assim, alguns atributos físicos são desejáveis também.
Vou colocar a seguir minha opinião sobre algumas variações:




Don Quixote é um ballet encenado originalmente em quatro atos e oito cenas, com base em um episódio retirado do famoso romance de Don Quixote de la Mancha de Miguel de Cervantes . Ele foi originalmente coreografado por Marius Petipa com música de Ludwig Minkus e foi apresentado pela primeira vez pelo Ballet do Teatro Imperial Bolshoi de Moscou , da Rússia em 26 de dezembro de 1869. 
Kitri -  Variação feminina do ballet Dom Quixote
Para fazer a variação de Kitri a bailarina precisa ter muito vigor e expressividade. Deve ser muito boa em grandes saltos, bem como tours em piquet tanto en dedans com en dehors e channés. Creio que a preferida seja a variação do primeiro ato:







O Ballet A Bela adormecida é composto de 3 atos, 5 cenas e prólogo. Libreto de Marius Petipa e Ivan Vsevolojsky, baseado em conto de Charles Perrault. Música de Peter Ilyich Tchaikovsky. Estréia mundial no teatro Maryinsky de São Petersburgo, Rússia em 5 de janeiro de 1890.
Fada Lilás - personagem feminina de "A Bela Adormecida"
Para fazer a fada lilás, assim como a maioria das fadas, a bailarina precisa parecer flutuar. Para isso, deve ter características e atributos técnicos para colocar leveza nos movimentos. A sequência de sissones fermé seguidas de pirueta de 4a en dehors é o trecho onde a sensação de voar mais passa ao público. Precisa ter muito controle para os developés a la second e principalmente para os foutés. Como exige um físico leve, essa variação é frequentemente escolhida para bailarinas mais jovens (normalmente com algumas adptações).





Aurora - princesa aurora de "A Bela Adormecida"
Ela é princesa! Ela está casando aos 15 anos; é uma jovem princesa! Para fazê-la, a bailarina precisa incorporar aquela postura nobre de quem nasceu no castelo. Muito controle e delicadeza nos movimentos que vão crescendo e exigindo maior vigor e dinâmica. Acho que para essa variação a bailarina tem que ser completa (sustentação, giros, força física, postura nobre).







O Lago dos Cisnes é um ballet dramático em quatro atos do compositor russo Tchaikovsky e com o libreto de Vladimir Begitchev e Vasily Geltzer. A sua estreia ocorreu no Teatro Bolshoi em Moscou no dia 20 de fevereiro de 1877. Coreografia original de  Julius Reisinger. Segunda coreografia por Marius Petipa e Lev Ivanov (essas são as apresentadas até hoje).
Odete - do ballet "Lago dos Cisnes":
Ela é a menina boa. Extremamente romântica. É o cisne branco, está enfeitiçada e presa. O ballet tem uma atmosfera noturna e nebulosa. Para fazer Odete ou outro cisne é necessário usar os braços em linhas que imitam as asas dos cisnes. A cintura escapular exibe uma postura e alguns cambrés condizentes com a sinuosidade do cisne. A bailarina deve ser bem flexível nos membros superiores e buscar essas linhas. Além disso, a bailarina deve ter boas linhas de arabesque e girar muito bem.







Odile - do ballet "Lago dos Cisnes"
Ela é sedutora e dissimulada. Tem índole má, mas finge ser Odete. Em sua variação, o cisne negro precisa encantar o príncipe naqueles minutos para fazê-lo declarar-se a ela. Na versão mais conhecida dessa variação a coreografia é recheada de piruetas e giros. O primeiro acorde toca e a bailarina já fez uma pirueta tripla terminando em pirueta atittude! Ufa! Haja fôlego e "labirinto" para essa variação!





Já na versão do La Scalla de Milan, a coreografia é totalmente diferente, e a música utilizada é outra, tirada de outro trecho da composição do Tchaikovsky para o lago dos cisnes.
Na versão do La Scalla vemos as mesmas carcterísticas da personagem, porém numa coreografia recheada de grand jetés que exigem uma bailarina mais vigorosa. Os giros são executados no final, em tour piquet.





La fille mal gardeé -
La fille mal gardée é um ballet cômico em dois atos, tendo sido representado pela primeira vez em Bordéus em 1786. Foi produzido e coreografado por Jean Dauberval.
Lisa- é uma camponesa, uma menina que tem um pretendente rico, mas que se apaixona por um camponês pobre. A bailarina deve emprestar jovialidade a essa personagem, que é alegre e suave. A coreografia é marcada por baterias (pequenos saltos) e piruetas, que devem ser executados por uma bailarina ágil. É uma variação que costuma ser muito adaptada, modificada, e executada assim por jovens bailarinas.





Giselle - é um ballet em dois atos com libreto de Jules-Henri Vernoy de Saint-Georges e Théophile Gautier , com música de Adolphe Adam e coreografia original de Jean Coralli e Jules Perrot . Estréia no Le Peletier Salle em Paris, França, em 28 de junho de 1841 pelo Ballet du Théatre de L'Academie Royale de Musique. Posteriormente Marius Petipa coreografou novamente para o ballet Imperial Russo (1884); é essa última versão que é apresentada hoje em dia. O libretista tirou sua inspiração de um poema de Heinrich Heine.  O ballet conta a história de uma camponesa chamada Giselle cujo fantasma, após sua morte prematura, protege seu amante da vingança de um grupo de maus espíritos femininos chamados Willis.
Giselle - variação do primeiro ato.
Neste momento Giselle é uma jovem camponesa cheia de vida. Para dançar essa variação, a bailarina deve movimentar-se com jovialidade e graça. O ponto característico da coreografia são os pas de cheval feitos nas pontas. Deve-se cuidar com a maneira de segurar o vestido, que constitui parte importantíssima nessa variação. Uma bailarina boa para La Fille mal Gardeé me parece ter características também para Giselle no primeiro ato:





Coppélia é um ballet sentimental com coreografia original de Arthur Saint-Léon e libretto de Saint-Léon e Charles Nuitter, com música de Léo Delibes . Foi com base em duas histórias macabras de ETA Hoffmann , Der Sandmann (The Sandman) e Die Puppe (The Doll). O ballet estreou em 25 de maio de 1870 no Théatre Impérial de L'Opera, em Paris, com a bailarina de 16 anos Giuseppina Bozzacchi no papel de Swanilda.
Variação de Swanilda 3o Ato - casamento
Swanilda é a grande heroína que salva seu noivo. Nessa variação ela é a toda poderosa que foi atrás de seus objetivos e conseguiu casar com seu amado! Para fazê-la a bailarina deve manter uma postura confiante, sorridente. A coreografia é marcada por relevés, developés, saltos e termina com piruetas rápidas.





O quebra nozes é um ballet em 2 atos originalmente coreografado por Marius Petipa e Lev Ivanov com música de Pyotr Ilyich Tchaikovsky. O livretto é uma adaptação da história de E.T.A. Hoffmann entitulada "O quebra-Nozes e o Rei dos Ratos. Estreou no teatro Mariinsky em São Peterburgo, em 18 de dezembro de 1892, junto com a Ópera "Iolanta"também de Tchaikovsky.
A fada açurada - variação:
Ela é a anfitriã do mundo dos doces. Ela é fada e por isso deve parecer flutuar. Por seu status de mestre de cerimônias ela tem um ar respeitoso e seguro. O instrumento "celesta" que foi colocado por Tchaikovsky nessa variação ajuda a representar as qualidades de sonho e infância desse ballet. Tecnicamente a bailarina terá de fazer aqueles pas de chats característicos da coreografia além de algumas linhas de atittude, bem como a sequência de tours no final.





Ballet de Repertório - ADAPTAÇÕES
Bom, esses videos foram escolhidos a dedo e as variações em questão são dançadas pelas melhores bailarinas do mundo. Como fazer então para dar uma variação a uma aluna? Bem, nesse caso, usamos o que chamamos adptação. É quando você muda certos elementos da coreografia para adequa-la ao nível técnico da bailarina. Temos que ter muito cuidado nessa hora e respeitar a música, bem como a própria coreografia. Se mudarmos a coreografia inteira, então estaremos nos "inspirando" em um ballet de repertório e não fazendo propriamente uma adaptação. Particularmente acho que o professor tem que estudar muito o ballet, estar por dentro das versões que estão sendo apresentadas para adaptar uma variação a uma aluna. Veja um exemplo de La fille mal gardeé a seguir:



Ballet de repertório PARA CRIANÇAS
Nossas alunas e filhas amam os ballets desde pequenas! Como fazer para deixá-las familiarizadas com as músicas e as histórias dos ballets? Uma dica é o livro "Contando Histórias de Balé", da Teresa Vilela. Eu tenho um exemplar e ele vem com 2 CDs que contam as histórias com as músicas dos repertórios como fundo. Eu amo, minha filha adora e minhas alunas se encantaram! Conheça um pouco mais no site: www.meumundocrianca.com.br


E você seguidor do blog do ballet pode ganhar um exemplar!!!
Deixe um comentário qualquer nesta postagem com seu email até dia 18 de setembro de 2011 para participar do sorteio. Vamos apurar todas as inscrições (só vale se inscrever 1 vez por perfil) e publicar o vencedor do sorteio no dia 25 de setembro. Eu mesma vou sortear e a Teresa Vilela vai dar o livro! Participe!!!


* Informações sobre os libretos dos ballets foram pesquisadas em diversas páginas da wikipedia do Brasil, Portugal, Estados Unidos e Inglaterra.

domingo, 12 de junho de 2011

Sorteio do casquinho e perneiras - BLOGGER e FACEBOOK



Para que fique claro, o sorteio foi feito por ordem de inscrição:
1- Alessandra Mattos
2- Suzan Afonso
3- Roberta
4- Aline
5- Escrevendo com os pés
6- Mariana Horta
7- Lawane
8- Carolina
9- Gossip Girl
10- Selma Regina
11- Erika Lima
12- Ayana Samara
13- Silvia
14- Cah
15- bonecas da estella
16- Fazendo arte com a gi
17- Candi doces
18- Sabrina histórias e contos
19- Tissiane
20- Renata
e no facebook
21- Marcelle Bilheri
22- Gisele Fontoura Ferrazini
23- Haline Gregório
24- Amália Arruda
25- Roberta Lewindon
26- Anny Dias
27- Karina Andrade

segunda-feira, 6 de junho de 2011

Sorteio do casquinho e perneiras - participe pelo FACEBOOK

Em primeiro lugar eu gostaria de me desculpar com todos os seguidores que não estão conseguindo postar comentários no blogdoballet. Eu mesma não estou conseguindo comentar meu próprio blog. Já faz tempo que informei a equipe do blogger sobre esse problema e eles admitem o erro, mas não dão uma previsão de quando será  resolvido.
Em respeito a todos os seguidores estou aceitando inscrições para este sorteio também no FACEBOOK. Basta você comentar o meu estatus atual. Use o atalho ao lado para isso. Quem já se inscreveu no blogger está participando, não precisa postar no face.
INSCRIÇÕES VÁLIDAS ATÉ DIA 10 DE JUNHO TANTO NO BLOGGER COMO NO FACEBOOK. RESULTADO DO SORTEIO SAI DIA 12 DE JUNHO NO BLOGGER!
CONTO COM SUA COMPREENSÃO E PARTICIPAÇÃO!

quinta-feira, 2 de junho de 2011

Prorrogando as inscrições

As inscrições do sorteio do blog do ballet foram prorrogadas até dia 10 de Junho de 2011. Por problemas técnicos do blogger muitas pessoas não conseguiram se inscrever. Então podem postar seus comentários nesta postagem aqui também para fazer seu cadastro (os cadastros feitos na postagem anterior intitulada "204 seguidores - sorteio" estão valendo também!).

Segundo a ajuda do blogger:
"Nós estamos investigando um problema que está impedindo o login e postagem de comentários de alguns usuários, e esperamos ter uma correção liberada em breve.
Obrigado pela sua paciência durante esse período. - última atualização em terça-feira 24 de maio, 2011"
Renata Sanches e alunas fotografadas por Marcele Ferraz

segunda-feira, 23 de maio de 2011

204 seguidores! Sorteio!

Estou muito feliz em comunicar que na semana passada o blog do ballet completou 200 seguidores. Para comemorar vou fazer mais um sorteio.


Atenção para as regras:

Poderão participar somente os seguidores visíveis deste blog, mediante um cadastro.

Para se cadastrar faça um comentário qualquer nesta postagem atual. Só será válido 1 cadastro por perfil. Cadastros em duplicidade serão cancelados.

ATENÇÃO: só serão aceitos cadastros de seguidores que tenham perfis visíveis a todos os usuários do blogger, no qual qualquer seguidor possa constatar em sua lista de "blogs que eu sigo" que vc é de fato seguidor do blogdoballet. Se tiver dúvidas quanto a este item favor entrar em contato.

Você pode se cadastrar a partir de 23 de maio até 31 de maio de 2011.

No período de 1 a 4 de junho eu farei uma auditoria para me certificar que todos os cadastrados estão de acordo com as regras. Cadastros errados serão excluídos.

A divulgação do ganhador se dará durante o dia 5 de junho e será postada no blog.

Prêmio: o seguidor sorteado ganhará um par de perneiras de lã e mais um casaquinho de ballet de lã com tamanho e cor a escolher conforme disponibilidade no dia da encomenda. Caso seja escolhido tamanho infantil, a perneira poderá ser trocada por polaina. O prêmio será entregue via correio em até 30 dias corridos após o sorteado ter comunicado a mim (professora Renata Sanches) por email, facebook ou através do blog qual cor e tamanho escolhido.

Casos omissos neste regulamento serão resolvidos por mim e comunicados através do blog.
 
PARTICIPE!

sábado, 7 de maio de 2011

Novo sorteio do blog do ballet

Renata Sanches fotografada por Ma Bilder
Estamos perto de completar 200 seguidores no blog do ballet. Para comemorar vou fazer outro sorteio!
Clique em "seguir" pois somente seguidores visíveis do blog poderão participar, heim?
Por enquanto preciso de sua sugestão: mande um comentário dizendo qual artigo de ballet deveria ser sorteado (bolsa, camiseta, ponta, tênis, Cd de aula, Cd de repertório, etc). Quero saber de que os leitores do blog mais gostam!

quarta-feira, 2 de março de 2011

sua filha no ballet - dicas importantes

Como escolher uniforme de balé?
Qual collant mais confortável?
Qual é a meia calça mais adequada para as meninas?
Qual a melhor sapatilha de ballet?



As aulas de ballet vão começar e você está preocupada com a vestimenta correta... Antes de ir às compras atente para alguns detalhes. Se já escolheu a escola que vai fazer aulas, o próximo passo agora será perguntar se a escola exige uniforme específico. Se o figurino puder ser livre veja as características de cada peça a seguir e escolha!

COLLANTS OU LEOTHARDS:

O modelo regata é mais confortável e fresquinho e ainda pode ser usado com uma camiseta por baixo nos dias frios. O modelo com manguinha curta é bem gracioso, mais indicado para crianças pequenas pois a partir de 11 anos as meninas podem suar muito nas axilas. O modelo manga comprida é só usado em dias frios, não recomendo pois as alunas vão usar em cerca de 4 a 6 aulas e vão perder. O modelo de alça pode ficar caindo e a criança vai ficar o tempo todo arrumando. Os modelos diversos para adultos devem ser provados para sentir o conforto do corte e do tecido, pois cada bailarina tem suas preferências.

1- Collant com sainha: ideal para baby class, essa roupa permite total liberdade de movimentos, permite que a professora observe a postura.

2- Collant básico: excelente para qualquer idade. Pode ser usado com ou sem saia por cima. Permite ainda o uso de shorts ou calça por cima.

3- Collant com tutu costurado: É lindo e as crianças adoram. Dificulta alguns movimentos de chão. Exige lavagem à mão.

SAIAS:
Normalmente confeccionadas em crepe, jersey, helanca, ou ainda em tule. A de crepe é a mais bonita, tem melhor caimento. A de jersey é a mais usada por ser mais barata e fácil de encontrar. A de helanca é a mais resistente. A tutu de tule é a preferida das crianças, mas dificulta alguns movimentos de chão.

1- Saia costurada no collant: como já dito é a ideal para as babys já que permite qualquer movimentação sem ter que ficar arrumando.

2- Saia transpassada: esse modelo, apesar de ser o mais usado eu não recomendo pois o laço sempre solta e a criança tem que parar em alguns momentos para arrumar a saia.

3- Saia com cintura em helanca: modelo ideal para ser usada por crianças sobre o collant básico.

4- Tutu de tule: é fofo, as crianças adoram, mas dá um ar de "fantasia" que algumas professoras não gostam. Pode dificultar alguns movimentos de chão. Exige lavagem à mão.

MEIAS:
De helanca são as mais comuns, oferecem resistência e são disponíveis em diversos tamanhos. As de lycra ou suplexx são bem mais resistentes, bonitas e aderentes, porém disponíveis em tamanho único. As de poliamida e elastano (meia fina comum) são praticamente descartáveis, não recomendada para balé. As acrílicas são ótimas para os dias frios.

1- Com pé: Boa para as crianças que vão fazer aulas sempre com sapatilhas calçadas.

2- Sem pé: Boa para aulas nas quais a professora permite tirar as sapatilhas para alguns exercícios em todas as aulas.

3- Conversível (com pé/ sem pé): São as mais recomendadas pois permitem exercícios sem sapatilhas apenas quando necessário. Para as meninas que vão iniciar na ponta é a ideal pois permite que a aluna coloque a ponteira com facilidade.

SAPATILHAS DE MEIA PONTA:

Modelos de lona são muito confortáveis, porém sujam com facilitade e exigem lavagem à mão. Modelos de corino (couro sintético) são bem frágeis, mas são fáceis de limpar. Modelos de couro são de melhor qualidade e maior preço. As de cetim são lindas, próprias para apresentação, exigem lavagem à mão.

Detalhe: As crianças pequenas vão usar cerca de 2 sapatilhas por ano (uma nas aulas, outra na apresentação e depois das férias o pé já terá crescido!).

1- Sola inteira: ideal para crianças até 6 ou 7 anos pois oferecem maior estabilidade.

2- Sola dupla: permite uma linha mais bonita nos pés, ideal para crianças a partir de 7 anos e adultos.

Dica importante sobre as sapatilhas:
As cordinhas elásticas das sapatilhas devem ficar sempre para dentro, ou então devem ser removidas. Nunca ajuste esse elástico pois vai prender o tendão do calcanhar. As sapatilhas devem ser compradas sempre no tamanho certo do pé. Nunca compre maior pois isso dificultará a movimentação.

Marcas que eu gosto:
Gosto é pessoal, mas qualidade não.
Os melhores collants: os da Só Dança são os que vestem melhor (modelos adulto); a linha Capezio Luxo (adulto) são os mais fashion; os de helanca infantil da Marabá vestem melhor e têm melhor qualidade.
As melhores meias: as de helanca são melhores da Marabá (qualidade e ajuste); as conversíveis da Só Dança e da Marabá são mais resistentes.
Sapatilhas de meia ponta: as de lona são melhores da Capezio e as de couro são melhores da Só Dança (apenas os modelos femininos foram avaliados). De corino pode ser tanto da Capezio quanto da Só Dança (apenas para crianças).

Onde encontrar:
http://www.capezio.com.br/
http://www.sodanca.com/
http://www.malhariamaraba.com.br/

Crédito das fotos:
bailarina bebê: Maria Cecília Nogara fotografada por Arnaldo Torres
salto: Renata Sanches fotografada por Marcele Ferraz
sapatilha: Renata Sanches fotografada por Marcele Ferraz

domingo, 23 de janeiro de 2011

Sapatilha de Ponta - 3

Conhecendo melhor suas sapatilhas de ponta


Origem: Wikipedia, a enciclopédia livre
Tradução e adaptação: Renata Sanches

Uma sapatilha de ponta é um tipo de calçado usado por bailarinos para realizar o trabalho nas pontas. As sapatilhas de ponta foram desenvolvidas a partir do desejo das bailarinas aparentarem não ter peso e parecerem-se com sílfides, e evoluíu para habilitar bailarinos a dançar nas pontas dos dedos por longos períodos de tempo. São normalmente usadas por mulheres, embora dançarinos homens possam usá-las para papéis não ortodoxos, como as irmãs feias da Cinderela , Bottom em Sonhos de uma noite de verão, ou homens interpretando mulheres em companhias de dança como Les Ballets Trockadero e Grandiv. Elas são fabricadas em uma variedade de cores, geralmente em tons de rosa claro.

História das sapatilhas de ponta
As mulheres começaram a dançar no balé em 1681, 20 anos depois que o rei Luís XIV da França ordenou a fundação de seu Ballet Ópera de Paris. Naquela época as mulheres dançavam os ballets com sapatos de salto. Em Meados do século 18 a bailarina Marie Camargo do Ballet Ópera de Paris foi a primeira a vestir um sapato sem salto, permitindo-lhe realizar movimentos que teriam sido difíceis, senão impossíveis com o sistema convencional de sapatos da época. Após a Revolução Francesa os saltos foram completamente eliminados do ballet. Esses antecessores da sapatilha de ponta moderna envolviam os pés por tiras que terminavam em pregas sob os dedos, para que osbailarinos pudessem saltar, executar giros e esticarem seus pés.
As primeiras dançarinas a subirem nas pontas o fizeram com a ajuda de uma invenção de Charles Didelot em 1795. Sua "máquina voadora" levantou as bailarinas ainda mais, permitindo que subissem nas pontas antes de sair do chão. Esta qualidade de leveza etérea e foi bem recebida pelo público e, como resultado, coreógrafos começaram a procurar maneiras de incorporar mais pointework em suas peças.
Como a dança evoluiu no século 19, a ênfase na habilidade técnica aumentou, assim como o desejo de dançar nas pontas sem o auxílio de fios. Quando Marie Taglioni dançou pela primeira vez La Sylphide nas pontas, os sapatos eram nada mais do que chinelos de cetim modificados; as solas eram feitas de couro e as laterais e pontas eram reforçadas para ajudar os sapatos manterem sua forma. Porque os sapatos deste período não ofereciam nenhum apoio, as dançarinas protegiam seus pés com algum tipo de ponteira almofadada para maior conforto e contavam apenas com a força de seus pés e tornozelos para sustentação.
Uma forma substancialmente diferente de sapatilha de ponta apareceu na Itália no final do século 19. Bailarinas como Pierina Legnani usavam sapatilhas com uma superfície plana nas pontas, ao invés dos modelos anteriores mais pontiagudos. Estas sapatilhas também incluiam uma "box", caixa, feita de camadas de tecido para conter os dedos do pé, e uma sola rígida, forte. Elas eram feitas sem pregos e as solas só eram reforçadas nos dedos dos pés, tornando-as bem silenciosas.
O nascimento da sapatilha de ponta moderna é quase sempre atribuído a bailarina russa do início do século 20, Anna Pavlova , que foi uma das mais famosas e influentes bailarinas de seu tempo. Pavlova tinha particularmente um colo de pé muito arqueado, o que a deixou vulnerável a lesões ao dançar nas pontas. Ela também tinha pés alongados e cônicos, resultando em excesso de pressão aos dedos grandes. Para compensar isso, ela iria inserir solas de couro em suas sapatilhas como reforço extra e achatou e endureceu a área dos dedos formando uma caixa ou "box".Como esta prática fez dançar nas pontas ficar mais fácil para ela, foi considerada por outras bailarinas como "trapaça".
Fabricação

Cada bailarina tem seu formato único de pés, com variações que incluem o comprimento dos dedos e a forma do arco, flexibilidade e resistência mecânica . Consequentemente, a maioria dos fabricantes de calçados de ponta produzem mais de um modelo de sapato, e cada modelo oferece um ajuste diferente. Independentemente do fabricante ou modelo, no entanto, todas as saptilhas de pontas compartilham dois importantes recursos que permitem às bailarinas dançarem na ponta dos pés:
A caixa ou box é um duro cerco na extremidade dianteira do calçado que reveste e suporta os dedos dos dançarinos. A parte frontal da caixa é achatada, de modo a formar uma plataforma (biqueira) sobre a qual a bailarina pode equilibrar .
A palmilha é um pedaço de material rígido que serve para endurecer a sapatilha, de modo a fornecer suporte para o arco do pé quando na ponta.
O exterior de uma sapatilha de ponta é coberto com tecido para assim ocultar a caixa e outros elementos estruturais internos e emprestando um olhar esteticamente agradável ao sapato. A maioria das sapatilhas de ponta são cobertas com cetim. As sapatilhas de ponta são mais frequentemente disponíveis em tons claros de rosa e menos comumente em preto ou branco. As sapatilhas de ponta muitas vezes podem ser encomendadas em outras cores personalizadas.
Na maioria das sapatilhas de ponta, a sola é construída a partir de uma única peça de couro que é anexada ao sapato com cola e reforçada por costuras nas bordas. As sapatilhas de ponta podem ser fabricadas com um solado raspado, que evitam deslizamento , ou solas lisas, que têm uma superfície mais deslizante.
A aparência estética é de fundamental importância para sapatilhas modernas. Para conseguir uma aparência elegante, o sapato é decorado com tecido cobrindo a maior área possível da superfície visível do mesmo. Para esse efeito, a sola é feita de material fino a dar-lhe um perfil mínimo, e uma margem de cetim plissado é artisticamente costurada em torno dela para que a sola abranja apenas uma parte do fundo do sapato.

Palmilhas:

Palmilhas são normalmente feitas de couro, de plástico, cartolina, ou camadas de cola de sapateiro . A flexibilidade de uma palmilha é determinada por sua espessura e do tipo de material utilizado. A espessura da palmilha pode ser inteira consistente ou pode variar de consistência ao longo de seu comprimento para a produção de diferentes intensidades em cada área. Por exemplo, um corte pode ser feito em uma palmilha na altura da meia-ponta para melhorar, facilitar a passagem da meia-ponta para a ponta. Sapatilhas padrão ou Standard normalmente têm uma palmilha inteira. Muitos fabricantes de sapatilha de ponta oferecem uma escolha de materiais para palmilha, e alguns vão criar sapatos com palmilhas personalizadas de diferentes rigidez e comprimento.
Bailarinas, às vezes, usam diferentes modelos de sapatilha de ponta para cada ballet. Em muitos casos a coreografia determina o tipo de palmilha necessária; um estilo lírico pede uma sapatilha suave (mais mole), enquanto um estilo agressivo, com muitas piruetas é mais facilmente realizado com uma sapatilha dura, rígida.

Sapatilha Pré-ponta:

A sapatilha pré-ponta que também é conhecida como sapatilha soft tem características de ambas as sapatilhas de balé (ponta e meia-ponta). Sua aparência externa se assemelha ao de uma sapatilha de ponta e tem uma caixa (box) que é mais suave e cujo interior não é tão profundo como aqueles encontrados em sapatilhas de ponta. Ao contrário das sapatilhas de ponta a pré-ponta não tem palmilha. Como resultado, eles não fornecem o suporte necessário para o trabalho de ponta e, consequentemente, alunas de dança normalmente recebem fortes advertências sobre os perigos de subir na ponta com sapatlhas soft.
Sapatilhas de pré-ponta ou soft são usadas para treinar novos bailarinos para a técnica de ponta. Em tais casos sapatilhas de pré-ponta servem para acostumar dançarinos com a sensação de usar sapatilhas de ponta e como preparação para a dança nas pontas. Sapatilhas soft também podem ser encontradas em performances em que a aparência de sapatilhas de ponta é desejada, mas nenhum trabalho de ponta será executado.

Fitas e elásticos:

Uma sapatilha de ponta precisa de duas fitas de cetim e um elástico para fixá-la ao pé. A maior parte da segurança da sapatilha no pé é dada pelas fitas. As duas fitas envolvem o tornozelo da bailarina em direções opostas, formando uma cruz na frente. As extremidades são então amarradas em um nó , que é então dobrado sob a fita na parte interna do tornozelo para escondê-lo. As extremidades das fitas nunca são amarradas em um laço pois este pode soltar-se. A faixa elástica, que atravessa a frente do tornozelo e abaixo das fitas mantém o calcanhar do sapato no lugar, contra o pé quando a bailarina está na ponta. Algumas escolas não permitem o uso de elásticos.
Os locais onde se fixam os elásticos e fitas são importantíssimos, pois uma fita mal colocada pode resultar em uma sapatilha mal adaptada ao pé. O posicionamento ideal depende dos atributos físicos do pé para o qual será acoplado e, conseqüentemente, as fitas e elásticos não podem ser anexados no processo de fabricação de calçados. Depois de adquirir um novo par de sapatilhas de ponta, o bailarino deve determinar os locais de fixação adequados para as fitas e elásticos e depois costurá-los, ou providenciar para que sejam costurados.

Quebrando

Dançarinas quebram, ou amolecem, novas sapatilhas de ponta, a fim de melhorar a sua forma e, assim, eliminar o desconforto causado pelos sapatos novos. Vários métodos são empregados para a quebra de novas sapatilhas de ponta incluindo deformá-las contra superfícies duras, golpeá-los com objetos contundentes, molhar as caixas de dedo (box) e depois vestí-las, e aquecê-las para amolecer a cola , mas estes métodos geralmente encurtam a vida útil da sapatilha. Algumas bailarinas simplesmente toleram o desconforto e dançam com elas até que estas são naturalmente quebradas.

Acessórios:

Depois de uma sapatilha de ponta estar quebrada é comum que a box ainda não ofereça um encaixe mais confortável para o pé da bailarina na ponta. Para minimizar o desconforto causado pela caixa inflexível, os dançarinos freqüentemente usam ponteiras, que são geralmente feitas de gel (outras de silicone e outras ainda de espuma) para revestir e amortecer o impacto nos dedos. Além disso, separadores para dedo do pé em gel são, por vezes, inseridos entre os dedos para proporcionar amortecimento e para ajustar o alinhamento dos dedos.
Além disso e  às vezes em substituição das ponteiras, algumas bailarinas podem aplicar esparadrapo micropore a seus pés para reduzir a fricção e a probabilidade de formação de bolhas.

Vida útil:

No decorrer do uso normal, há três tipos predominantes de desgaste em uma sapatilha de ponta que irá determinar a sua vida útil. O mais importante deles é o desgaste da palmilha. Como o corpo do sapato é repetitivamente flexionado, a palmilha gradualmente enfraquece e perde a sua capacidade para prestar apoio. Uma sapatilha de ponta não é mais útil quando a palmilha quebra ou fica muito mole para sustentar. A segunda é a de amolecimento da caixa e, especialmente, a plataforma na qual a bailarina equilibra. (Podem sentir os dedos no chão). O outro tipo principal de desgaste envolve o tecido exterior. Em pointework, a biqueira está sujeita ao atrito contra o chão. Este atrito acaba desgastando o tecido que envolve a biqueira, expondo a caixa. Ao contrário de uma palmilha enfraquecida, tecido exterior danificados não afeta o desempenho de uma sapatilha. Devido a sua aparência pouco profissional, no entanto, tecido danificado pode tornar o calçado impróprio para usar em outras situações que não a prática informal ou ensaio.
Sob uso moderado, um par de sapatilhas normalmente dura até dez a vinte horas de uso. Para estudantes de dança, isso se traduz muitas vezes em semanas ou meses de uso útil de um par de sapatilhas. Bailarinos profissionais geralmente desgastam sapatilhas muito mais rapidamente, um novo par pode usado em uma única apresentação. Como resultado, companhias de balé mais profissionais fornecem subsídios para seus dançarinos cobrirem o custo de reposição frequente de sapatilhas.
A vida útil de uma sapatilha de ponta depende de muitos fatores, incluindo:
Uso. Estilos de dança mais agressivos realizados frequentemente, maior tempo de utilização irão acelerar o desgaste.
Técnica de dança. Técnica de dança incorreta pode inutilizar, deformar as sapatilhas.
Ajuste. Sapatilhas com formato ajustado ao pé incentivam a técnica adequada, o que leva a uma vida útil mais longa do sapato.
Peso. Quanto mais pesada a bailarina, maior a tensão sobre os sapatos e mais rápido o desgaste.
Construção. Várias qualidades e tipos de fabricação irão produzir as expectativas de vida diferentes às sapatilhas.
Material da palmilha. A rigidez e a integridade dos diversos materiais da palmilha irão causar diferentes desgastes com o uso.
Quebra. O processo de quebra simula o uso acelerado e portanto acelera o desgaste da sapatilha.
Qualidade do piso. As superfícies ásperas podem provocar desgaste rápido do tecido exterior da sapatilha, em contraste com superfícies lisas, como pisos linóleo, que minimizam a taxa de desgaste do tecido.

sapatilha de ponta em cetim

desgaste do tecido expõe a caixa

ponteiras

espaçadores de dedos

Fitas e elásticos costurados

palmilha

fino solado em couro com fissuras anti-deslizantes


Para saber melhor "Como aumentar a durabilidade da sapatilha" leia este post do blog "Ponta Perfeita". Lindo!!!!