terça-feira, 22 de junho de 2010

Dança e mercado de trabalho

Se você é mãe de uma talentosa aluna de ballet ou ainda se você é uma bailarina ou um bailarino de destaque em sua escola pode estar se perguntando quais as possibilidades de carreira e emprego para o profissional da dança no país. Quais atividades poderá desempenhar? Qual o mercado de trabalho em dança? Vale a pena investir numa carreira de dança?

Começando pelos sonhos de criança...
Toda mãe de bailarina brasileira sonha em vê-la dançando no Festival de Joinville e aparecendo numa pontinha do Fantástico falando desse festival. Esse evento e outros do tipo existentes por todo o país serve apenas de vitrine de bailarinos, coreógrafos, professores que terão um destaque no meio da dança. Quero dizer, ganha-se apenas certa publicidade, prestígio e um imenso prazer em dançar, participar, competir, ganhar. Paga-se para dançar, para fazer aulas, para tudo. Apenas cias de dança convidadas, jurados, professores das oficinas recebem por seu trabalho.
Outro sonho comum: atuar em Cia de dança profissional (imagina-se receber um salário digno para dançar). As Companhias de dança existentes no Brasil sobrevivem com escassos recursos financeiros e muita luta para manter-se. Corrijam-me se eu estiver errada, mas se estiver pensando em ballet clássico só temos o municipal do Rio. já em dança contemporânea somos fortes, temos um trabalho reconhecido e diversas companhias. São algumas das principais: deborah colker, cena 11, quasar, Balé da cidade de São Paulo, Sociedade Masculina, Ballet Stagium, São Paulo cia de dançagrupo corpo etc. Para entrar em cias que oferecem salário fixo é necessário ficar atento às audições (ou testes). Fique atento no site Conexão Dança para ficar por dentro.
Temos muitas companhias independentes que angariam recursos através de projetos do governo e até mesmo através de recursos próprios como Sopro Cia de Dança, Cia de Corpos Nomades, Nucleo Omstrab só para citar algumas poucas. Mas a instabilidade nas companhias que vivem de projetos é grande e seus bailarinos não podem lhes dar exclusividade e por isso fazem outros tipos de trabalhos como dar aulas, participar de eventos etc. Para participar dessas cias também deve-se ficar atento às audições, mas muitas vezes o bailarino é convidado a entrar por seus dirigentes ou coreógrafos.
Um sonho típico de alunas de jazz é atuar em grandes produções de musicais. Bem, nesse caso o bailarino tem que saber dançar jazz, ter muita técnica, saber atuar e cantar. Para entrar nesse meio tem que fazer as audições quando surgem. Você receberá um salário digno durante os ensaios e o tempo que ficar em cartaz. Deverá dar prioridade total e ficará praticamente exclusivo, já que a carga horária semanal é grande. Lembre-se de que quando sair de cartaz ficará desempregado até a próxima audição!!! Veja fotos
Atuar em televisão: você pode desejar ser uma das bailarinas do Faustão ou do Sílvio Santos, ou do Gugu etc. Para isso deve ter o perfil físico adequado, além de saber dançar. Tem que conhecer alguém que lhe indique quando haverão testes para entrar. Normalmente em TV ganha-se por diária de filmagem. Também recebem por diária de filmagem os bailarinos que atuam em filmes comerciais. Dependendo da produção e da visibilidade pode ganhar ainda pelo uso da imagem. Para atuar em publicidade é necessário estar cadastrado em uma agência de atores e modelos e fazer testes.
Atuando em shows: é possível dançar com bandas de baile e com artistas musicais (no Brasil principalmente sertanejos). Veja fotos. Ganha-se por show, normalmente um bom cachê, mas trabalha-se à noite e faz muitas viagens de ônibus. Também tem que participar de audições ou ser chamado pelo coreógrafo responsável.
Ser um professor. Quase todos os bailarinos que conheço que atuam em todas as áreas descritas acima também dão aulas! As aulas dão uma estabilidade um pouco maior. É muito satisfatório porque você pode ainda dançar e coreografar suas próprias idéias. Os professores recebem por hora-aula ou por porcentagem de mensalidade de aluno. Quanto mais experiente, mais recebe um professor. Algumas escolas chegam a repassar 100% a um maitre famoso, apenas pela honra e visibilidade que é tê-lo em seu corpo doscente.
Depois de entrar na carreira você vai querer dar um direcionamento mais para um lado ou outro. Ainda existem muitas outras formas de atuação como por exemplo bailarino clássico solista para apresentações, coreógrafo, ensaiador, diretor- proprietário de academia ou escola etc, etc etc.

Sobre os direitos da categoria:
Os bailarinos, dançarinos, coreógrafos, professores, enfim, os artistas da dança, integram categoria profissional regulamentada pela Lei n.º 6.533, de 24.05.1978 e pelo Decreto-Lei n.º 82.385 de 05.10.1978. Têm, portanto, esses profissionais, lei e regulamentação próprias e específicas para regrar suas atividades profissionais e relações de trabalho.

Conforme o Art. 2º da citada lei, é considerado "Artista, o profissional que cria, interpreta ou executa obra de caráter cultural de qualquer natureza, para efeito de exibição ou divulgação pública, através de meios de comunicação em massa ou em locais onde se realizam espetáculos de diversão pública", contempla ainda a categoria profissional de "Técnico em Espetáculos de Diversões - profissional que, mesmo em caráter auxiliar, participa individualmente ou em grupo, de atividades ligadas à elaboração, registro, apresentação ou conservação de programas, espetáculos e produções.No Quadro Anexo ao Decreto n.º 82.385 constam os títulos e descrições das funções em que se desdobram as atividades em questão, assim como no Código Brasileiro de Ocupações - CBO, que descreve as famílias profissionais existentes no país. São considerados profissionais dessa categoria os bailarinos, dançarinos, mestres, ensaiadores, assistentes de coreografia e os professores de dança dos cursos livres.
As funções discriminadas para os profissionais acima são:
- ensinar técnicas de dança, improvisação, criação, composição e análise do movimento, executando a dança através de movimentos preestabelecidos ou não, optando pela dança clássica, moderna, contemporânea, folclórica, popular ou de shows.
- coordenar atividades com a equipe cenotécnica - figurino, som, iluminação, maquiagem e efeitos especiais entre outros -, demonstrando capacidade de trabalhar em equipe.
- organizar roteiros e/ou estruturas coreográficas , criando movimentos com as várias linguagens da dança, utilizando-se de recursos humanos, técnicos e artísticos , valendo-se para tanto de música, texto ou qualquer estímulo específico, optando por quais técnicas corporais serão utilizadas e transmitindo aos artistas a forma, a movimentação, o ritmo, a dinâmica, a postura e a interpretação necessários para a execução da arte, podendo dedicar-se também à preparação corporal dos artistas e ainda procedendo investigação pertinente sobre o tema selecionado, inclusive em outras áreas artísticas.
- desenvolver consciência cinesiológica, demonstrando conhecimento dos componentes do espetáculo (cenário, luzes, som, etc.), configurando esteticamente os elementos da dança , demonstrando sensibilidade artística e habilidade para trabalhar com maquiagem e adereços.
- transportar as idéias, imagens e sensações para a linguagem coreográfica, imprimindo intenções, sensações e emoções, dando qualidade dramática ao movimento e expressando imagens através do corpo.
- manter o corpo tecnicamente preparado, experimentando ações, passos, gestos e movimentos, interagindo fisicamente com os parceiros da dança, ensaiando e dançando.
- O ARTISTA DA DANÇA PODE ATUAR COMO PROFESSOR DE CURSOS LIVRES EM ACADEMIAS, ESCOLAS, ESTÚDIOS, ESCOLAS DE DANÇA, CLUBES, FUNDAÇÕES, EMPRESAS, ESPAÇOS PÚBLICOS, ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS E OUTROS. PODE AINDA ATUAR NA EDUCAÇÃO BÁSICA EM INSTITUTOS DE EDUCAÇÃO SUPERIOR E UNIVERSIDADES, SEGUINDO CARREIRA ACADÊMICA.

Fotos:
1- Marina Costa como Elektra em Cats Brasil 2010
2- Renata Sanches, Jaildo Santiago e Roberto Amorim (Sopro cia de Dança - 2006)
 
Fontes:
http://www.wooz.org.br/dancaatividade.htm
http://www.musicalcats.com.br/espetaculo.php
http://www.conexaodanca.art.br/audicao.htm

domingo, 6 de junho de 2010

Profissionalização e DRT: quais os caminhos para se tornar bailarino profissional?

Quais os caminhos possíveis para se tornar um profissional de dança no Brasil?
- Formação em escola de ballet
- Ser "rata"de academia de dança
- Curso técnico de dança
- Faculdade de dança

A profissão do bailarino é regulamentada e exige o registro na DRT (delegacia regional do trabalho). Se quer atuar profissionalmente, o bailarino deve buscar seu DRT pois, apesar de não ser exigido em muitos lugares, em outros só será possível atuar se tiver esse registro. O DRT é emitido pelo ministério do trabalho mediante um atestado de capacitação profissional ou diploma. Esse atestado de capacitação é emitido pelo sindidança. Já o diploma profissionalizante é emitido por instituições como faculdades de dança e cursos técnicos na área. Mas, registros à parte, qual a melhor formação para ter chances reais no mercado de trabalho no Brasil e até no exterior?

Vou falar primeiro sobre Formação em Escola de Ballet:
Se seu sonho é ser bailarina (o) clássica essa é sua melhor opção. Você deve entrar numa escola reconhecida pela secretaria da educação. Lá você terá aulas com uma carga horária semanal obrigatória, (depende do curso e do nível e idade), fará exames anuais, receberá boletins e certificados. No final, terá um diploma válido, profissional e poderá pleitear seu DRT. Nesse tipo de formação você terá treinamento técnico suficiente para se tornar uma bailarina clássica, mas mesmo que passe em todas as provas, seu empenho, dedicação, físico apropriado e talento determinarão as direções da sua carreira. Se mora em uma cidade como São Paulo você pode escolher o método Cubano, o Royal, a Escola Municipal de Bailados. Se entrar na EMB (é necessário teste para isso) ou em alguma escola do método Cubano, fique até se formar, pois não poderá fazer algum tipo de equivalência de grau, terá que começar de novo em outro método. Já o método Royal tem filiais e associados por todo o mundo, ou seja, caso você mude de cidade ou até de país poderá encontrar uma escola e continuar sua formação de onde parou. Pessoalmente considero as linhas e o resultado técnico do método Cubano mais bonito e eficaz para o corpo brasileiro, mas aconselho a formação no Royal por ser mais organizado e reconhecido no mundo todo. Atenção: se a escola que você está realiza provas e dá certificado, procure saber qual a validade desse diploma.

Sobre Ser "rata" de Academia de Dança:
Quem mora ou morou no interior sabe que sua única opção, muitas vezes, é ficar metade do seu dia dentro de uma academia de danças fazendo tudo que lhe é oferecido: ballet, jazz, contemporâneo, alongamento, sapateado, dança de salão, hip hop, teatro e às vezes até aeróbica, ginástica olímpica e outros esportes. Esse tipo de trabalho corporal cria um bailarino eclético, capaz de atuar (se bem direcionado) em companhias de dança contemporânea, shows de artistas da música, musicais, televisão, publicidade etc. Porém, dificilmente terá a limpeza técnica necessária para ser um profissional de ballet clássico. Se esse for seu sonho, terá que dedicar-se em algum momento de sua formação exclusivamente ao clássico com algum renomado maitre de ballet. Mas se ama o contemporâneo busque cursos específicos, se ama o jazz, idem. Procure algo em que se aperfeiçoar. Uma excelente opção para esse bailarino é fazer uma faculdade de dança, por exemplo.

Sobre Curso Técnico de Dança:
É uma complementação técnica em Dança para quem cursou ou cursa o 3o ano do ensino médio. É um curso novo no Brasil. Esse tipo de curso não forma bailarinos, não dá o que as escolas e academias de ballet dão, mas oferecem um leque maior de possibilidades no mercado de trabalho. Para quem quer dar aulas, criar e tomar contato com a dança em diversas formas é uma excelente opção. Se você passou toda uma vida dançando em academia e participando de festivais de dança, essa parece ser uma boa opção de profissionalização para você! Veja o site da ETEC e informe-se!

Sobre Faculdade de Dança:
Oferece Diploma de curso superior, dá direito a DRT e possibilita (legalmente falando) a atuar em qualquer atividade de dança e relacionada a dança. Você poderá atuar como bailarina, coreógrafa, professora (inclusive da rede pública de ensino), mas claro, se for boa nessa ocupação...! Se você se formou nas outras opções acima, um caminho interessante será fazer a faculdade. Mas atenção: ela não forma bailarino, vc tem que procurar escolas e academias de ballet antes, durante e até mesmo continuar fazendo aulas depois. A Faculdade de dança abre as portas para diversas opções, estimula a pesquisa e você ainda pode seguir carreira acadêmica fazendo pós, mestrado, doutorado... Recomendo muito essa formação! Mas... se você não tem uma história séria de comprometimento com a dança ao longa da vida você talvez até consiga passar no vestibular e se inscrever no curso; porém quando for entrar no mercado de trabalho essa deficiência técnica fatalmente aparecerá e suas chances não serão muitas. Não se engane! Mais um detalhe: saiba se sua faculdade é reconhecida pelo MEC, e dá direito ao exercício da profissão. As principais faculdades de dança do Brasil são a UNICAMP, a UFBA, e a ANHEMBI. A PUC oferece um curso superior em "Artes do Corpo" também muito bom e reconhecido.

Em próxima postagem vou dar detalhes sobre o mercado de trabalho no Brasil.

Peço aos meus amigos e leitores do blog que postem suas contribuições nos comentários abaixo!