terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Fotos dia a dia do curso de pas de deux/ pegadas


Júnior Gadelha e eu demonstrando aos alunos

tirando dúvidas...

olha aí o resultado: Júlia e Emerson arrasaram!


Ronaldo e Pamela



Renato e Cyntia



Pamela e Ronaldo

Cyntia e Emerson

Julia e Emerson

Cassiano e Maria Cecília


Eu e Ronaldo

Ieda e Rogério

Aninha e Emerson...

arrasaram...

...na apresentação final




Ieda e Fábio

domingo, 17 de janeiro de 2010

Curso de Férias - Pas de deux/ pegadas

Curso de férias: Pas de Deux/ pegadas - Com a professora Renata Sanches e bailarinos convidados
Data: 18 a 22 de Janeiro de 2010
Hora: das 20 às 21 horas
Local: Carla Lazazzera academia de dança. Alameda Itu, 167, sala 27 - fone 11- 3284-4473
Investimento: R$100,00 o curso ou R$25,00 a aula avulsa
Ainda temos vagas!

O curso é indicado para bailarinos e dançarinos de ballet, jazz, contemporâneo, tango e dança de salão interessados (as) em iniciar ou aprimorar suas capacidades para "pegadas".
No curso trabalharemos:
- enfrentando o medo
- explorando o contato
- descobrindo possibilidades de encaixes
- treinamentos de pegadas tradicionais/ específicas
- treinamento de piruetas para pas de deux clássico
- tirando dúvidas sobre movimentos que já faz

Quer levar o curso de Pas-de-Deux com a professora Renata Sanches e bailarinos convidados para sua cidade ou academia? Deixe seu e-mail abaixo em "comentários" que entrarei em contato.

Pas de deux - o que é?

Pas de deux - termo do ballet clássico que, em francês significa "Passo de dois". É o trecho do ballet dançado por um bailarino e uma bailarina. O Pas de deux completo é chamado de Grand Pas de deux ou  Grand Pas e é composto de um entrée, um adagio, variação masculina, variação feminina e a coda.
Veja um exemplo de Grand Pas neste video do Ballet Kirov que encontrei no You Tube para entender melhor:
http://www.youtube.com/watch?v=d1ZoNUr9rY4

Ao dançar com um parceiro a bailarina pode saltar mais alto, tomar posições que ela nunca seria capaz de sozinha, e "flutuar" sobre o palco. Uma parceira permite a um bailarino estender sua linha e mostrar sua força. No Pas de Deux, o homem, muitas vezes não está em uma posição balé ou parece não estar dançando em tudo. Ele pode fazer isso porque o público vai olhar quase que somente a bailarina; mas agora que você leu isso, tenho certeza que você vai assistir o homem da próxima vez que for para o balé para ver se é realmente verdade. O homem age como um "terceiro pé" para a bailarina, equilibrando, levantando, e girando-a.
Quatro grandes áreas de estudo técnico em pas de deux são: promenades, elevações ou "pegadas", giros ou "piruetas" e saltos, embora existam outros passos também. Uma promenade é quando a bailarina sobe em uma posição na ponta e o homem anda em torno dela, sustentando-a pela mão, fazendo-a girar. Uma promenade pode ser feita em uma posição e pode mudar durante seu curso. Você pode pensar que é muito simples de fazer uma promenade, quão difícil se pode andar por aí com alguém? No entanto, a bailarina deve se sustentar numa perna apenas, em equilíbrio e muitas vezes mantendo uma posição de attitude ou arabesque durante a promenade, e isso pode ser bastante difícil. Uma elevação é apenas o que diz: O bailarino levanta a bailarina. O número de elevações ou "pegadas" diferentes que podem ser feitas no Ballet é quase ilimitada. Um par de dançarinos pode fazer uma "pescada", onde o bailarino lança a bailarina no ar e a pega em uma posição de arabesque, coma perna de baixo dobrada, e com as costas em um enorme cambré,(parecendo-se com um peixe). Estas elevações são alguns dos movimentos mais inspiradores de balé e um dos mais exigentes. Ao fazer giros com um parceiro, é a mulher que o faz,  geralmente algum tipo de pirueta. Ao fazer uma pirueta comum com um partner, o bailarino vai estar  atrás da bailarina e ele vai ajudá-la a se estabilizar e também ajudá-la a girar, com as mãos na cintura dela. Ao fazer piruetas desta forma uma mulher pode fazer muito mais do que ela normalmente seria capaz sozinha. Saltos podem ser muito divertidos, cansativos, ou até assustadores, dependendo do tipo de salto que um casal está fazendo. Saltos comuns são aqueles onde a bailarina pula e o cavalheiro simplesmente ergue para fazê-la subir, não envolve muito risco, mas pode ser cansativo depois de um tempo. Estes saltos são normalmente usados como um aquecimento na aula e não realizado no palco. Alguns dos saltos mais arriscados seriam mais bem descritos como "salto e pegada". Estes seriam aqueles nos quais a bailarina salta sozinha para os braços do cavalheiro. Tais movimentos trazem sempre um suspiro da platéia.

Como o Ballet clássico é muito antigo, sua técnica dá base e inspira muitas danças, tanto acadêmicas como sociais ou populares. No contemporâneo temos duos, e outras formações (trios, quartetos, conjuntos) que usam pegadas. Para algumas, empresta-se a técnica do clássico, para outras, usa-se técnicas contemporâneas como por exemplo o contato-improvisação. Veja a seguir um vídeo do "Grupo Corpo" para visualizar melhor exemplos de pegadas utilizando técnicas clássica e contemporânea:
http://www.youtube.com/watch?v=R86vh-mWPdM&feature=related

Veja o Pilobolus dance theater:
http://www.youtube.com/watch?v=yPrgTV2hSTo&feature=related

E até onde eles podem chegar! Incrível!:
http://www.youtube.com/watch?v=1-6z9v05mDw&feature=channel


Dicas:
Para promenades: Equilibre-se sozinha e utilize do apoio do seu parceiro apenas para conduzir seu giro!
Para saltos: façam o plié juntos para conseguir a maior elevação!
Para piruetas: bailarina, fique no eixo sozinha! Bailarino: gire-a sem tirá-la do eixo!
Para pegadas em geral: utilize os encaixes que suas articulações proporcionam!
Lembre-se: eixo, sincronismo, encaixe são as palavras-chave!